Você faz toda a diferenca!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

O balao vermelho


Geo: Recebi esta mensagem por e-mail e lembrei de você. Veja:

O balão vermelho

"As dificuldades surgem não para nos paralisar e sim para reforçar nossa capacidade de nos superar."

Marcio Kühne

BENNY tinha setenta anos quando morreu subitamente de câncer, em Wilmette, Illinois. Como sua neta de dez anos, Rachel, nunca teve a oportunidade de dizer adeus, ela chorou durante vários dias. Mas depois de receber um grande balão vermelho em uma festa de aniversário, voltou para casa com uma ideia – uma carta para o vovô Benny, enviada para o céu em seu balão. A mãe de Rachel não teve coragem de dizer não, e observou com lágrimas nos olhos enquanto o frágil balão subia por entre as árvores que cercavam o jardim e desaparecia. Dois meses depois, Rachel recebeu esta carta com carimbo do correio de uma cidade a 380 quilômetros de distância, na Pensilvânia:

"Querida Rachel. Vovô Benny recebeu a sua carta. Ele realmente a adorou. Por favor, entenda que coisas materiais não podem ficar no céu, portanto tiveram que mandar o balão de volta para a Terra – eles só guardam os pensamentos, as lembranças, o amor e coisas desse tipo no céu.
Rachel, sempre que você pensar no Vovô Benny,ele saberá e estará muito perto, com um amor enorme por você. Sinceramente, Bob Anderson (também um vovô)."

A melhor maneira de mantermos vivos aqueles que amamos e se foram é observarmos todas as virtudes que eles possuíam e continuar a cultivá-las.
****
Bjoooo
Bel
Mais sobre o assunto neste post AQUI.
Atenção: É expressamente proibido a cópia deste texto e imagens sem a autorização prévia do autor.

12 comentários:

✿ chica disse...

Linda e terminei de ler emocionada...beijos,chica

Desde pequena tenho algo com balões.Adoro vê-los, mas me dão nostalgia...

Roseli disse...

Georgia realmente é linda essa história. Guardo sempre comigo as lembranças daqueles que foram como verdadeiros tesouros.
Bjs

João Menéres disse...

Que maravilhosa história, GEORGIA !

Por certo que a contaste à VIVI e ao Daniel...

Um beijo.

Anônimo disse...

Georgia, é muito complicado comentar no seu blog. /então resolvi ser "Anônima", que eles publicam sem problema.
Gostei muito da historinha do balão vermelho.
Recebeu o email que mandei em resposta ao seu?
Sonia Sant'Anna

elvira carvalho disse...

Um texto muito bonito.
Um abraço

Tucha disse...

Linda história, muitas vezes temos que usar metáforas para explicar e suavisar as coisas tristes da vida

Bergilde disse...

Bela demais a mensagem e tenho certeza de poderei transmitir aos meus filhos também.
Abraço carinhoso e vou conhecer o espaço indicado por ti.

Cris Caetano disse...

Que estória linda... E é mesmo assim que tem de ser, devemos cultivar as melhores lembranças.

Beijão

Lúcia Soares disse...

Lindo caso, Georgia.
As lembranças ninguém nos tira, ainda bem!
Que gentileza extrema esse Vovô enviar uma carta à menina. Nem se imagina como ele conseguiu o endereço, (será que a menininha colocou na carta? Ou o sobrenome e a cidade ajudaram? sei lá...Só sei que acredito piamente na história).
A saudade de uma palavra, dos abraços, dos beijos, dos mimos, pode doer por muito tempo. Mas o coração nunca se esquece.
Beijo!

Georgia disse...

Lúcia, eu acredito que sim, que ela tenha escrito o endereco. Aqui na Alemanha é costume por exemplo que a Escola de Música qdo faz o encerramento do ano e é qdo comeca o verao. Eles fazem uma grande festa ao ar livre com música e muita brincadeira para as criancas e numa dessas tem baloes onde as criancas o soltam, mas ai no cartao que vai pendurado está o endereco da escola de música, onde ela pede que seja retornado contando em qual cidade ou estado o balao chegou. O Daniel uma vez conseguiu ficar no 3° lugar porque o balao dele viajou mais de 250Km e a pessoa mandou o cartao de volta para a escola de música.
É muito comum isso no estrangeiro.

Um abraco grande

Camille disse...

Que lindo post.
Adoro essa palavra-virtude. Diz muita coisa. E concordo que a melhor maneira de pensar nos que ja se foram é pensar em suas boas qualidades. É assim que sempre lembro da minha avo, ate por que so via qualidades nela mesmo.
Beijos da Cam

Allan Robert P. J. disse...

Viver nem sempre é fácil, mas não existem alternativas.