Você faz toda a diferenca!

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Chantagem de adolescente, proibicao com computador e seus resultados

Vao lendo e depois me escrevam o que vocês fariam...

Um dia desses um amiguinho da classe do Daniel fugiu e quando os pais nos ligaram perguntando se ele tinha feito contato com o Daniel eu estava na cozinha com meu filho e comecei a chorar e a orar para que nada de mal o acontecesse.
O menino voltou para casa depois do que aconteceu e os pais  passaram a ceder em alguns pontos na educacao com medo de que o menino voltasse a fugir.
Aqui em casa as atividades como Televisao e Computador têm hora marcada tanto para comecar como para terminar e dependendo da nota na escola essas atividades ficam proibidas durante a semana inteira. O Daniel e mais os amiguinhos da escola e da nossa igreja vivem jogando esses jogos e se eles nao entrarem todos os dias ou eles morrem de fraqueza ou eles perdem os pontos ou  perdem algumas armas de combate essas coisas. O caso é que sendo assim, cria-se um circulo vicioso na crianca, adolescente e até mesmo em Adultos para estarem logados todos os dias e ai a escola, o trabalho como é que fica? Nao ficam.

Estamos vivendo mais a realidade online do que mesmo a vida com os outros seres humanos. Por causa disso combinei com outras maes de ficarmos firmes na proibicao do computador durante a semana e que só liberaríamos na sexta feira por ser fim de semana. Vocês podem imaginar o AUÊ que foi? Infernal para nós 3 maes que ficamos firmes. No domingo passado eles passaram o dia fora na Phantasialandia e quando chegaram em casa já quase 8 da noite eles correram para o computador o qual nós imediatamente dissemos que nao. Que o dia tinha sido longo demais. Que eles tomariam banho, comeriam e cama. Vocês nao queiram saber a raiva de menino por aqui e pela casa das minhas amigas que mantiveram firmes nas nossas decisoes. No dia seguinte, eles sabiam que nao poderiam ir para o computador a semana toda. O meu filho explodiu numa rebeldia antes nunca colocada prá fora. Ele me pareceu um dependente em drogas só que em jogos de computador. Há uma febre existente em meio a tudo isso que se os pais nao ficarem atentos estamos mesmo perdendo os nossos filhos dentro da nossa própria casa. Mantive a minha decisao firme e ele me confrontou energicamente com os olhos me dizendo que bem fez o amigo que fugiu e assim agora ele recebia tudo o que ele queria.
Silencio. Pausa.
Me virei para o meu filho e disse-lhe:

- Caso você queira fazer o mesmo, leve um casaco bem grosso de inverno porque a noite é fria demais lá fora. Leve o seu dinheiro, porque lá fora ninguém vai te pagar nada quando você tiver fome e ah, leve a sua chave de casa, porque caso você queira voltar no meio da madrugada eu vou estar dormindo, porque o meu dia é cheio de trabalho. E outra coisa: Quando você voltar as regras continuam as mesmas, nada vai mudar. E que Deus te abencoe!

Eu sei que ele nao falou com todas as palavras que iria fugir, mas a mim me pareceu chantagem. A mim me pareceu que ele queria me colocar medo. Contei para o Christian e ele me apoiou na hora, mas nao perguntou nada para o Daniel. Contei para as minhas amigas o que aconteceu aqui em casa e elas ficaram pasmas. Com elas aconteceu que seus filhos sairam chutando tudo pela casa e seus quartos e jogaram seus livros no chao. Um verdadeiro "Sandy", (furacao)
Bem...menino nao fugiu de casa ao menos ainda nao, rs. Menino está bem mais calmo porque sabe que  ele tem pais que nao voltam atrás naquilo que achamos importante para o crescimento dele. Às vezes até liberamos como prêmio pelo bom comportamento, mas nao quebramos nossa palavra dada. Eles estao numa fase que precisam aprender a responsabilidade de cada ato de cada decisao.
Outra coisa: Nao discuto com meu marido na frente dos meus filhos caso Christian tome uma decisao precipitada. O casal precisa apoiar mesmo nao estando de acordo. Para isso temos o nosso quarto de dormir para colocarmos os pingos nos "iis"  e ver como solucionar melhor a nova situacao. Afinal de contas tanto você como seu marido querem o mesmo: o melhor para seu filho.
Entao: apoie o seu marido e fique firme com ele. Nao seja você a brecha por onde o teu filho vai escapar. Eu aprendi isso na marra,. Nao pense você que por você ser boazinha ele vai te amar mais. nao vai, muito pelo contrário, ele sabe quem tem razao e na hora de algo muito sério o nosso filho vai buscar o lado daquele que ficou firme por ele confiar mais, me acredite.
E para nós brasileiras que muitas das vezes passamos a mao dizendo que a educacao no Brasil é diferente, nao se engane, os problemas sao muito parecidos mas os  nossos filhos nao aceitam o nosso tipo de educacao. Eles dizem que aqui é diferente e isso é verdade. Entao para duas culturas diferentes é preciso que o casal converse sobre a situacao atual dos filhos e um pergunte ao outro: se eu agir assim você estará de acordo? O que você pensa a respeito disso? Você vai me apoiar nessa decisao?
Quando passei a fazer assim com o meu marido, nós nos vimos do mesmo lado, pois antes eu estava em outro terreno achando que estava fazendo bem para o meu filho. E nao pense você que seu filho ainda por ser pequeno você nao precisa ficar tao dura com ele. Se você nao comeca as regras bem cedo, mais tarde vai ser pior ainda.

 E nao copiem o meu texto, antes pecam a mim a permissao.

Atenção: É expressamente proibido a cópia deste texto e imagens sem a autorização prévia do autor.

22 comentários:

✿ chica disse...

Importantíssimo teu texto.Falaste como uma mãe que preza a educação e quer o melhor. Firmeza é preciso e devemos nos fazer respeitar! Tua preocupação é a de todas as mães. Essa fase é fogo e o que estraga é que podemos fazer e outras não fazem ,não tomam postura. Acham melhor, mais prático, pois não se incomodam!


Gostei de ver! beijos,tudo de bom,chica

disse...

Georgia

Acho voce uma pessoa muita sábia, porque em cada um dos teus textos aprendo alguma coisa boa para minha vida, que mesmo que nao a mude completamente, - pois preciso preparar o terreno do meu lar que está cheio de "pragas" e raizes velhas, (o q nao e facil) para poder iniciar minha "plantacao de coisas boas" - me ajuda muito a florescer novas ideias... Muito obrigada por ter o blog!!! Beijos

Beth/Lilás disse...

Parabéns Georgia, é assim que se deve agir, com firmeza e acima de tudo, o casal compactuando das mesmas ideias para educar os filhos!
Eu sei bem o que é este negócio de jogos online, meu filho já foi viciado um tempo, quando morou no Paraná, e foi uma lenha para tirá-lo desse mundo dos jogos, embora tenha até ganhado prêmio por jogar muito bem. Graças a Deus, hoje ele não faz mais isso, mas como todo jovem ou muitas pessoas, pois vejo tanta gente mais velha viciada no tal Facebook, ficam o dia inteiro ali jogando conversa fora, o computador parece uma extensão dos dedos e é de domingo a domingo, uma coisa impressionante. Se os adultos estão assim viciados, talvez por carências, não sei, temos que ter todo o cuidado com os jovens, orientando-os, mostrando a eles que isso não é bom, indicando-lhes novos caminhos.
Eles gostam quando a gente endurece, podes crer, pois pais ausentes ou permissivos não são respeitados por seus filhos.
Aguenta firme, não esmoreça!
um beijo grande, carioca


Cristina disse...

Olá Georgia, acho que somos parecidas com relação à educação dos filhos, pais e mães pemissivos se estressam menos, mas perdem seus filhos sem perceber!Aqui em casa, sou mãe e todo o restante, por isso apesar de conversas abertas e tentar ser amiga do meu filho, antes de tudo sou mãe, que educa, orienta,provê e dá limite...sempre digo ao meu filho, que se cças não precisassem de pais, nasceriam em pés de repolho!rs,...isso desde bem pequeno para que agora que me olha de cima, saiba que é apenas mais alto que eu, mas a autoridade é minha!
Adorei a frase pegue um casaco, que lá fora faz frio...eu diria o mesmo para o meu!
Vc tem minha admiração, bjs...

Maman B... et ses petites crapules disse...

Oi, Georgia
Somos maes numa era de tecnologia e temos que conviver com esses problemas cotidianamente. Mas vc esta certa de impor um horario e nao ceder a chantagens. aqui em casa eles tem 30 minutos p/ jogar. Quando o relogio do forno apita, o outro que esta na fila reclama sua vez. Acabamos com todas as sessoes. Meu filho Oliver, ja arrumou a mochila e disse ir embora, mas foi por causa da irma. Ele disse ir morar na cabana da floresta, levou ate saco de dormir. Em 20 minutos , estsva de volta! As vezes escuto que sou malvada e eu concordo e digo, nao ser a coleguinha da escola! as vzs somos soldado, policial, carrasco, carinhosa e engraçada, vem tudo num mesmo pacote! Sempre explico o "nao", mas nao cedo e sempre meu marido me apoia! Bem é isso ai, for4a na peruca, que ainda tem muito pela frente! bjs.

Dribook disse...

Parabéns pela FIRMEZA Georgia. Tive e tenho problemas muitos sérios em relação ao comportamento dos meus filhos. Por eu ser separada do pai deles, demorei anos para conseguir uma "parceria" com o pai. Mesmo separada. Nunca é tarde!!!

Beta disse...

Ge, concordo plenamente com vc.
Hoje os pais acham que podem dar toda liberdade, e por aqui vemos o que isto está gerando...
Linda, manda seu endereço daí pra mim, please! bj

rose disse...

Georgia, adorei saber dessa sua experiencia. Eu tambem ja passei por algo parecido, uma guerra pra crianca aceitar minha decisao em relacao ao computador e estudos. Sempre falo pra elas que seria muito mais facil deixa-las largadas fazendo gato e sapato na/da vida, me fazendo de desentedida, mas isso nao e' familia, nao e' amar os filhos, mostrar interesse por eles. com isso as feras aqui se acalmam e entendem um pouco a dificil tarefa de autoridade de mae.
* adorei as fotinhos da semana 45!

bjO, otima semana pra voces

Sueyne Maria Schramm disse...

Muito bom, Georgia! Muito bom mesmo!
Não vou copiar seu texto, mas vou indicar seu blog à muitas mães que conheço que não conseguem se manter firme. Vou guardar também essa palavra no meu coração para fazer o mesmo, e não cometer o erro que muitas mães cometem... Ser omissas e depois choram pelos cantos arrependidas.
Você é uma mulher muito sábia!

Beijos!

Bergilde disse...

Decisão certíssima a sua.E,quando os pais agem em acordo na educação dos próprios filhos o risco de errar é bem menor.Acabei de comentar no blog da Chica algo parecido relativo as nossas atitudes como pais tentando proteger nossos filhos dos perigos lá fora(ou dentro de casa quando se fala de Internet):estar presente talvez seja a melhor solução.
Bom passar por aqui,mesmo que nesse final de ano estarei menos frequente pelos blogs.
Abraços,

Pedrita disse...

disciplina e coerência é fundamental. há famílias q tem regras menos severas. outras mais severas. o importante é ter regra. cada família cria a sua, como cada família cria o seu código de casal. cada casal cria o seu código. e o importante é respeitar essas regras e códigos. eu serei menos severa q os meus pais, achei q eles exageraram em algumas questões. mas sempre os respeitei pela coerência. o q era certo e errado para o meu pai era sempre certo e errado e isso não me confundia, muito pelo contrário, me dava suporte. eu confesso q não concordo da proibição semanal da internet. acho q se tiver horário, hora pra começar e terminar, está de bom tamanho. mas como disse, cada família cria a sua regra. uma meia hora diária, e a exigência do seu cumprimento pode ser adequada. beijos, pedrita

Georgia Aegerter disse...

Pedrita, te entendo.

Ele tinha todos os dias meia hora, mas nao cumpria o horário. Nos enrolava e fora disso as notas abaixaram, entao até as notas melhorarem ele só tem internet nos fins de semana.

Um estudo foi feito e acredito nele que o cérebro registra com muita facilidade aquilo que fizemos 4 horas antes de dormir. E dai ele trabalha a concentracao, as recordacoes e mais outras coisas que agora nao me recordo.

Entao melhor é que as últimas 4 horas que a crianca está acordada antes de dormir seja para ler e estudar alguma coisa.

Espero que o aprendizado por aqui melhore.

Bjos

Celia disse...

Concordo com vc em tudo Georgia. Devemos ser consequentes e até duras em determinadas situacoes. Vc fez bem em proibir os jogos na semana. Isso é uma "cachaca" pra os jovens. Espero que tudo de certo e que ele permaneca em casa vendo os bons pais que ele tem. Bjs

Allan Robert P. J. disse...

Você agiu bem. Aqui em casa as regras sempre foram claras e as meninas estão acostumadas desde pequenas. Sem brigas ou chantagens, mas pulso firme. Depois, com tantos amigos, atividades é o que não falta. Vida social é melhor que vida virtual.

:)

Tucha disse...

Educar adolescente não é tarefa fácil. Mas concordo com vc temos que traçar os limites, explicando com clareza o porque e mantê-los firmes. Depois eles compreendem que estamos fazendo pensando na formação deles. Os meus hj comentam sobre isto e agradecem a minha firmeza.

Lúcia Soares disse...

Georgia, o que vale é a coerência, é manter a palavra dada, sem ceder. Fui rígida com meus filhos, nunca me arrependi.
A eduação, até a adolescência, é a base para a vida deles.
Importante tb é pai e mãe estarem de acordo, quando um aperta muito e o outro afroxa, dá em nada, a criança acaba confusa.
Seu texto é perfeito.
Beijo!

Pêtra disse...

Nossa Georgia, que situação difícil! Eu acredito que vocês como pais estão fazendo a coisa certa para o filho de vocês!
Como adolescente tive muitas liberdades e meus pais não impuseram tantas regras, confesso que eu era uma adolescente muito difícil e hoje eu acredito que minha adolescência poderia ter sido diferente.
Com meninos eu acredito que é ainda mais difícil, vejo minha irmã com um menino de 11 anos entrando nessa fase e realmente é muito difícil!
Parabéns e que Deus continue abençoando vocês como pais competentes que são!!

Nina disse...

Nossa, aquela pausa ali foi mesmo importantissima :-)
Olha Ge, eu passo por isso todos os dias com meu adolescente aqui. Ate hj me impressiona como meu filho mudou desde a infancia ate aqui. O bom é que ele permanece com mesma docilidade de sempre.

Nao é facil educar. Ponto!

Aqui eles usam computador com horario e dia determinado, temos senhas e controle do que eles fazem on line, programado conforme a idade, isso fiz desde que vi meu filho de na epoca, 11 anos digitar; "mulheres brasileira peladas" :-/ ooops!! tao cedo???


o meu nao é viciado em jogos, é viciado em si mesmo, tbm me preocupa, mas fazer o que?? sabe,cada um tem seu jeito.

Mas sim, nao quero mudar de rumo na conversa, acho que vc e seu marido estao agindo corretissimo, aqui fazemos o mesmo, nunca um dá um veredito sem conversar antes com o outro. e os meninos ja sabem disso, eles nem tentam mais convencer a mae bestona aqui, eles sabem que so decido algo em conjunto com meu marido e acabou!

Mt bom seu texto,serve mesmo de alerta.Lembrei que meu filho um dia disse que iria pra um Heim, que la seria mais bem tratado, ahahahah, nem dei bola e falei exatamente como vc. eu nem ligo mais, descobri que filho chantageia os pais o tempo todo, o que eles querem é nos ferir pra ver se a gente abre mao, eles nos conhecem e sabem nossos pontos fracos e feridas. Se deixarmos, viram uns tiranos.

Esse é o preco que pagamos por sermos pais que conversamos tanto com nossos meninos... cade que havia isso com minha mae?? um lance desse era porrada na certa...
claro que prefiro eu como mae do que a minha como foi comigo, mas algumas coisas, as maes de antes tinha razao.

Vixi,falei demais
Ciao querida, e continue firme, mas nao tanto... nao deixe de lado sua ternura, ta?

Georgia Aegerter disse...

Oi Nina, isso mesmo, nao posso esquecer da ternura para amenizar esses momentos de conflito.
Na hora do sermao é ruim tanto pra mim como para ele, mas nao tem outro caminho. Eles estao escrevendo na linha do tempo deles e nós como pais estamos aqui para orientar.

Eu sei é dificil demais. Vc já passou já grande parte diso, pois teu menino já é maior, mas que dá um desespero dá.

Mas sabe, todo mundo que tem filho passou por isso. Uns deixaram correr frouxo para nao ter trabalho e outros esquentaram a cabeca como nós.

No tempo da minha mae também era assim: Escreveu, nao leu, pau comeu.
Eu fui uma filha que apanhei muito, rs, tô pagando agora, ahahahaha.

Beijos querida, adoro suas palavras sempre sensatas, pois sei que vc já apanhou muito neste mundao.

Nina disse...

apanhei mt do mundao e mt mt mt da mamae, Ge :-)

Imagina, nao precisa nem agradecer, teu texto me fez pensar numa coisa que me deixa bem chateada, os estudos, que Joao anda dando pouco valor :-(

Alguem ai nos comentarios falou algo mt sensato, ela disse que existem pais que pra evitar estresse se fazem de cegos, outros, peitam os filhos mesmo sabendo que vao ser (naquele momento)menos queridos. Isso é educar ne Ge? Peitar menino abusado.

Tem dia que eu ja nao aguentando mais, tenho vontade de simplesmente deixar pra lá, afinal, é chateacao atrás de chateacao com meu filho. Mas aí, eu acordo do meu sono de alguns segundos, nao dá pra deixar passar sabe?! pequenas coisas tudo bem, mas coisas que sao importantes pra ele num futuro proximo é fundamental que eu tome alguma decisao. Isso eu tenho que fazer se quero educar bem esse moleque. E é pra isso que vim ao mundo, pra ter esses 3 meninos. Minha missao, cara, só pode ser, e vou te contar, nao é fácil mesmo!

mas a gente vai se virando como pode ne querida? tentando ser o máximo sensatas, nós, especialmente que somos casadas com estrangeiros (alemaes ainda por cima, esse povo duro, seco, frio que coloca acima de tudo na vida a disciplina e que sao extremamente corretos)passamos de vez em qd por maus bocados, tendo que nos adaptar a nova situacao, ficando as vezes no meio de um tiroteio.

Sorte ai com seu menino (ainda acho mais facil a tua vida do que a minha, afinal o teu marido é o pais dos teus dois filhos) só posso te dizer uma coisa que toda mae que ja passou dessa terrivel fase, diz: passa!

:-)
sacanagem ne?? qt tempo ainda temos que esperar? o meu ainda tem 15, quase 16... mas comecou a mudar la pelos 11 anos, e o teu, qts anos tem?

Bjs Ge

Lu Guedes disse...

Nossa Georgia, fiquei impressionada. Já tinha lido sobre os vícios da internet e do tal computador. Eu uso para o trabalho e confesso a você que tenho sorte nesse sentido porque não me ligo em jogos e olha que sou da geração atari. rs
Eu gosto, mas apenas para relaxar depois de um dia inteiro de trabalho. Acabo dormindo mesmo.
Sorte aí com o tuo bambino.
bacio

Eli Pechim disse...

Concordo com a Lúcia Soares. Coerência é o mais importante. Os pais têm de enviar a mesma mensagem na educação do filho, têm de validar as regras que devem ser criadas em conjunto e seguidas pela família toda, senão a criança fica realmente confusa e evidentemente irá usar disso quando for conveniente para ela. Não por ser "malvada", mas porque criança desafia os pais e suas regras, isso faz parte do desenvolvimento delas, por isso coerência, consistência e muita conversa são importantes. Meus filhos são bebês ainda mas já têm regra. Têm hora pra dormir, comer, tirar soneca, brincar. Eles não veem televisão nem nós vemos na frente deles. Não deixo o Oliver brincar com eletrônicos ainda. Nenhum tipo de eletrônico. Lemos livros pra ele, mas nada eletrônico ainda, nem dvd educacional. Vai chegar uma hora que ele vai mudar de fase, mas aí também haverá regras pra tv, pro joguinho, pra internet. Acho que você agiu de forma muito adequada com o Daniel. Mas o importante mesmo, na minha opinião, é uma família saber estabelecer regras e ser coerente na hora de segui-las e cobrá-las. Um beijo