Você faz toda a diferenca!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

O preco da traicao

Helena, o marido e a filha de 7 meses foram fazer férias na ilhas gregas. Lá, ela conheceu Thomas e sua namorada. Já no primeiro olhar entre Helena e Thomas eles pensaram que tinham nascido um para o outro. Duas semanas naquela ilha, com aquele sol maravilhoso tudo era encantador e Helena sentiu que pela primeira vez na vida, estava apaixonada. Na última noite, antes que eles voltassem para a Alemanha, Thomas nao resistiu e passou o seu número de telefone para ela.
Um mês depois quando teve uma briga com o marido Helena ligou para Thomas. Conversaram horas e horas e as ligacoes foram ficando cada vez mais freqüentes. Seis meses depois Helena estava se mudando para o apartamento de Thomas junto com a filhinha e foi assim que nós nos conhecemos. Nós já conhecíamos o Thomas, pois nessa época morávamos num condomínio aqui em nossa cidade. O marido dela nao se conformava com a separacao e vinha fazer o maior escândalo na portaria. Sim, isso existe também no chamado primeiro mundo. Helena nao sabia o que fazer, mas com o tempo o marido acabou aceitando a situacao, parou de brigar na justica pela filha, pois afinal Helena era uma boa mae, só nao amava mais o marido. Eles tinham se conhecido na escola ele se apaixonou por ela, quis protegê-la, pois ela tinha acabado de chegar da Romênia e era uma menina frágil diante daqueles alunos enormes. Helena, aceitara casar-se com ele porque achava que nunca iria se apaixonar.
Hoje, depois de 10 anos eu a encontrei na livraria da cidade. Estava diferente, é claro. Nao tinha mais aquele brilho, tinha engordado um pouco, mas ainda é uma bela mulher. Conversamos um pouco e ela me confessou: - Você sabe, Georgia, que o Thomas nao quis ter um filho comigo? E desde que nos conhecemos só fazemos férias em uma casa alugada? Que nunca voamos para alguma praia em qualquer lugar?
Eu me deixei ouvir sem nada dizer. Voltei prá casa pensando que a traicao tem o seu preco.
Será que ele nao ficou com medo de viver a mesma história e por isso age assim?

*Nomes fictícios, mas a história é real.

Atenção: É expressamente proibido a cópia deste texto e imagens sem a autorização prévia do autor.

31 comentários:

Chica disse...

Complicado isso e me parece que ela não estánada feliz!Pena isso!beijos,chica

Estrela vespertina...turbulenta! disse...

é triste mas quase tudo tem um preço!
é triste...

Bergilde Croce disse...

Georgia,desde que comecei a comentar pelos blogs que visito tenho o cuidado de ler o que está registrado e não apenas seguir os comentários precedentes(...)Sobre o tema traição entretanto,me considero leiga e não me atrevo a deixar aqui um conselho sobre este assunto. Afinal só o(a) próprio(a) é que pode decidir poque envolve o sentimento e a personalidade de cada um. E a capacidade de perdoar é diferente de pessoa para pessoa.Por isso ,prefiro a ponderação antes de escrever ou dizer qualquer coisa,por mais simples que possa parecer!

Jens disse...

Bah, Georgia, lembrei do bardo inglês e do nosso Nelson Rodrigues. O primeiro em razão do vatícinio: "ninguém vive impunemente as delícias dos extremos". O segundo por causa do tema traição, recorrente na sua produção literária e teatral.
A tua escrita fluente e certeira transmitiu ainda mais veracidade e melancolia a esta história por si só verdadeira e triste.
Beijo.

Bel disse...

O lance é que ele não confia nem nela nem em si mesmo...

Teresa disse...

É uma situação complicada, mas cada vez mais frequente na nossa sociedade, em que os casamentos e as separações se sucedem. Eu penso que, após os primeiros fervores da paixão, a desconfiança instala-se e surge aquele diabinho a bichanar: "Aconteceu uma vez, pode acontecer duas ou três!" Conheço alguns casos também.
Quando a confiança se perde, é difícil voltar a confiar.
Bjs

Marlia disse...

Sem comentários!

Mas você já pensou em escrever um livro? Você escreve muito bem e o desenrolar de suas historias até parecem de uma famosa escrira....

Adoro como você escreveu sua historia de "Como viver em outro país" (todas as partes).

Bjs,

Marlia

Marlia disse...

Sem comentários!

Mas você já pensou em escrever um livro? Você escreve muito bem e o desenrolar de suas historias até parecem de uma famosa escritora....

Adoro como você escreveu sua historia de "Como viver em outro país" (todas as partes).

Bjs,

Marlia

Lunna Guedes disse...

Boa tarde Georgia, saudades daqui, só li você no reader esses dias e cá chego e encontro Helena e Tom Jobim. Por aqui isso lembra Manoel Carlos e suas cenas urbanas.
Sim, traição é o assunto favorito dele e olha, eu acho sim que as pessoas temem passar por aquilo que causaram... Por que de alguma forma ele causou algo, concorda?
Bem, vim aqui apenas para deixar-te um abraço e acabei me divertindo com a música que eu amo e com o texto, quase um conto. Cenas cotidianas são ótimas para serem contos, não?

Ps. Estou melhor sim, mas acho que o médico equivocou-se com o tempo de descanso, afinal, tudo atrasou-se e agora preciso correr para colocar tudo em dia. rs Mas a pausa fez bem, outros olhares, outros cenários. Digamos que renovei-me em temas e assuntos. Bacio en tuo cuore

Poesia do Bem disse...

Olá , saudades como vai? venho convidar a ver a poesia aos aniversariantes de hoje.Deixe lá seu recadinho de carinho, abraços e visite-me

luluonthesky disse...

Agora te pergunto, será q sua amiga não se arrependeu de ter largado do marido?
Big Beijos

Fatima Cristina disse...

Oi Georgia!

Estou aqui me deliciando com a música do saia justa! Ótima!

Georgia, eu conheço estórias parecidas com essa que você contou.
Minha teoria é que quando a traição ocorre o amor (pelo menos de um dos lados) já se foi embora há muito tempo.

O Thomas ainda não se libertou do sentimento de culpa e ainda não aprendeu a deixar o amor livre para ele voltar mais forte!

Beijos!

Fábio Mayer disse...

História estranha, mas humana... será que Thomás não é realmente apaixonado por Helena? Será que os dois não entraram uma relação de impulso?

Quanto não ter filhos, eu até entendo ele. Ela já é mãe, talvez ele não precise ter filhos para confirmar um amor. Eu, pr exemplo, tenho dúvidas se quero ter uma criança., apesar e gostar delas.

Elvira disse...

Será que o Thomas a amava como ela pensava ?
Ou será que ela estava mesmo apaixonada por ele ou foi só uma empolgação como um amor de verão devido a briga com o marido ?

Nunca saberemos ...

Bjs.
Elvira

Maria Augusta disse...

Georgia, a vida real muitas vezes ultrapassa a ficção...e nela nem sempre os finais são felizes. Na minha opinião ela errou ao se casar sem amor, mas uma separação por traição deve ter sido muito dura para o marido. Mas se continuassem juntos ela estaria traindo ao marido e a ela mesma, já que estava apaixonada por outro. Quanto ao Thomas, talvez não queira filhos porque a relação passa a uma outra dimensão, e alguns homens tem medo deste tipo de responsabilidade. Sei não, mas se aparecer uma terceiro...Mas quem está certo, quem está errado é difícil dizer.
Belo post, nos faz pensar nos mistérios da vida...
Um beijão para você.

Gaspar de Jesus disse...

Oi GEORGIA
Qanta coisa bonita vai por aqui...!!!
Gostei de ver a sua filhota "professora"!
Gostei de ver a Georgia de chapeu bem brasileiro!
Gostei das inúmeras fotografias carnavalescas que nos disponibilizou!
E por fim esta bem real história de vida.
Um grande beijinho para si, extensivo às suas crianças.
G.J.

Ivana disse...

Georgia, acredito que na vida tudo tem seu tempo, seu momento, sua hora. Quando um amor acaba não há mais o que fazer. Aí as pessoas vão levando (pelos mais diversos motivos) até que um dia aparece alguém e a coragem chega... Não julgo ninguém por isso, apesar de ser 100 por cento a favor da lealdade nos relacionamentos.
Agora, uma coisa é certa: só a convivencia revela quem o outro realmente é.
Beijos.

Sonia disse...

TEm um ditado na roça que diz "cesteiro que faz um cesto, faz um cento". Acho que o Thomas ouviu essa frase e ficou com a pulga atrás da orelha.

Sandra disse...

Ola, Bom Dia!!!
Carinhosamente, venho agradecer a sua companhia do blog do Chico, onde estamos com o Concurso de poesias. Fiquei muito feliz que resolver viajar comigo..

Muito obrigada por ter aceito.
Agradeço do fundo do meu coração..
São oportunidades únicas que temos..
E com a companhia dos amigos, voamos mais alto.Estou muito feliz..
Carinhosamente,
Sandra

Cris Caetano disse...

Pois é...

Ge, acho que algumas pessoas confundem atração com paixão ou amor, e tudo em função de um momento ruim que passam no casamento. Eu sei de uma que está no terceiro casamento e na segunda traição com a desculpa que se apaixonou... desculpe, mas não dá pra acreditar que ela esteve alguma vez apaixonada em algum dos 3 relacionamentos.

Acho que essa infelicidade que sua amiga sente hoje é mesmo o preço que ela está pagando por seguir um impulso, e até acho possível que a tal pessoa que descrevi aqui, daqui há uns anos traia de novo dando a mesma desculpa: se apaixonou...

Beijinhos e bom fim de semana

Luciana Klopper disse...

Com certeza tudo na vida tem seu preço, mesmo embarcar numa paixão ardida!

Ana de Matos disse...

É isso que acontece quando a pessoa segue o coração, o coração é para sentir e o cérebro para pensar, talvez se ela pensasse direito não tinha embarcado nessa, infelizmente.
Também acho que vc escreve bem, é clara e sem rodeios.
Um abraço.

Deusa disse...

Geórgia minha querida
Isso que eu chamo trocar 6 por meia duzia.
Abraço apertado !!
beijocas

Tucha disse...

Manter uma relação requer investimento. E embora a traição não seja um bom modo de começar, o problemas tem pouco a ver com ela.

Bia Mendonça disse...

Oi Georgia!

Olha acho que pode ser o medo mesmo... ou simplesmente ela não o conhecia direito. As vezes a gente "cria" uma pessoa, achando que tudo vai ser perfeito, mas só depois eh que vai ver que essa pessoa só existia mesmo na nossa cabeça.

bjs

Mahria disse...

"Ninguém vive impunemente as delícias dos extremos." Disseram aí em cima, e que verdade. Não há como escapar, tudo tem seu preço.

Bjs
Mah

Pedrita disse...

acho que toda escolha tem o seu preço. a nossa sociedade empurra o ideal de que temos que ter tudo e viver plenamente e não é bem assim a vida. a vida tem frustrações. nada é mágico. ela pode ter perdido algumas coisas, mas ganhou outras. nem melhor nem pior, só diferente. tem um filme que eu gosto muito, amores possíveis, q mostra 3 histórias diferentes a partir de um desencontro. nenhum melhor nem pior, mas diferente. o problema maior acho q é a gente viver essa vida olhando pra outra e não vivendo a q temos. beijos, pedrita

Sonia H disse...

Georgia,
Quando comecei a ler o teu texto, julguei que fosse um capítulo de um romance...
Que história... parece ficção mas ao mesmo tempo tão real.
Ela não me pareceu feliz pela conversa que teve com você.
Será que valeu a pena???
Beijos,

Claudio Costa disse...

Muitos confundem empolgação com paixão e, pior, tomam decisão tomados pela paixão...
Mas tudo tem mesmo preço e consequência, há risco em tudo e viver é perigoso. Sua narrativa nos faz pensar, principalmente pelo final melancólico.

Ann disse...

Concordo que e um topico dificil de se opinar, pois cada um e que sabe aonde o calo lhe aperta, como ja dizia a minha avo. Mas, a falta de amor e de respeito e uma das razoes as quais alguem pode chegar a uma situacao dessas, acredito.
Bjs

Dalva disse...

Este é mais um caso típico "paixonite aguda"... não é o suficiente para manter um relacionamento. Para resistir ao dia-a-dia, e mesmo à rotina só a paixão não basta: é preciso "aquele" mais que envolve uma série de ingredientes: carinho, respeito, amizade, admiração...

Bjs