Você faz toda a diferenca!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Quando é que se sabe o que se quer estudar?


Li no blog da Bia Mendonca certo dia sobre as dúvidas dela em relacao ao futuro. O que estudar? Como decidir a nova profissao? Mas o maior problema mesmo estava na escolha. A escolha é que é o " Ó " da questao.
Eu respondi a ela que todas nós já fomos assim ou passamos por isso: "Nao sabemos mesmo com certeza o que queremos estudar e nos tornarmos profissionalmente."
Além disso, eu fui uma pessoa que vivia em cima dos muros quando tinha que dar minha opiniao sobre qualquer coisa. Era uma Maria vai com as outras em muitas situacoes e me desculpem as Marias...rs.
Mas numa coisa sempre fui firme e acredito até por causa da educacao bem clara que recebi em casa; nunca me envolvi com drogas e nunca engravidei quando mocinha...
Eu pensei ser professora. Esta profissao caía bem para alguém pobre como eu, talvez isso nao tenha sido mesmo o que eu sempre quis estudar, mas estava de bom tamanho.
Quando nos mudamos para uma cidade grande, ouvi falar em faculdade, em engenharia, em arquitetura, mas o que era isso? Para mim, um bicho papao de sete cabecas. Ouvi falar de Pedagogia que seria dentro da área da educacao e entao me embrenhei mais ainda prá esse lado.
Mas foi com 35 anos que descobri que eu teria adorado fazer engenharia de construcao ou arquitetura; adoro prédios antigos e sou capaz de chegar em casa e desenhar como eles poderiam ser, aproveitando melhor os espacos; nunca estudei prá isso, mas isso me fascina.
Entao: Acho que ao longo das nossas vidas vamos descobrindo outras aptidoes que antes nem pensávamos que poderia nos acontecer. Tenho conhecido algumas pessoas que foram fazer faculdade depois dos 30, dos 40... Será que é quando se sabe mesmo o que se quer da vida?

Atenção: É expressamente proibido a cópia deste texto e imagens sem a autorização prévia do autor.

29 comentários:

Cris Caetano disse...

Acho que sim, Ge...
me lembro que sempre gostei de Egiptologia, Arqueologia, mas na época que tive (ter que decidir uma profissão aos 16 anos é quase um crime), parecia utópico e me decidi por Arquitetura. Hoje eu adoraria trabalhar como restauradora, mas a vida vai nos levando na maioria das vezes e os sonhos vão sendo adiados. Mas certamente foi depois dos 30 que eu soube o que queria da vida, em todos os sentidos.

Beijinhos

Marcia Søvik disse...

Ah minha querida amiga blogueira...difícil responder essa pergunta. Com 20 decidi estudar ciências contábeis e foram cinco anos dentro da universidade, e quando me formei já estava trabalhando na área. Bom emprego, bom salário...mas me descobri infeliz com minha escolha. Aí com quase 30 decidi estudar direito, foi uma decepção!!!Aí voltei pra fazer mestrado em minha área...mas continuava triste. E dois anos atrás...com 35 anos de idade, eu descobri a grande paixão por literatura. Agora estou aqui em terras vikings planejando esse próximo passo. E por falar em literatura, fiz uma resenha pro seu outro blog sobre o livro da Ana Maria Machado. Espero que goste.
Grande beijo

Beth/Lilás disse...

Georgia, querida!
Este é um tema que tem sido um item dos mais complicados em minha vida, merece um email a parte que vou mandar-lhe assim que puder.
beijinhos cariocas

Pedrita disse...

sempre que ouço pessoas em dúvida lembro de conselhos pras pessoas se focarem nas atuações. psicólogos não só trabalham em consultórios, como em empresas de consultoria empresarial. agrônomos não só em plantações, mas em planejamentos, áreas de pesquisas. cada profissão tem várias ocupações e se ver nelas, ir ver o que alguém faz, ajuda bastante. beijos, pedrita

Ivana disse...

Georgia, acho que alguns afortunados descobrem seu dom muito cedo e seguem esse "chamado" até o final de suas vidas. Mas acredito que para a grande maioria não é assim. Não foi comigo, não foi contigo. Acredito mesmo que muitos cheguem ao fim da vida sem saber... rs Penso que aos 30 a vida já nos deu ferramentas para tomar uma decisão mais concreta, porém a "cartilha" reza que aos 30, já se deve estar "estabilizada" na profissão! Fazer o que então? Esperar ou arriscar? De qquer maneira, sempre é tempo de recomeçar.
Beijos!

Anunciação disse...

Não fiz arquitetura por causa da matemática e pq medicina ocupa todos os espaços;desde criança pequena era medicina que eu queria fazer para ser psiquiatra;fiz pedagogia por obediência e adorei;acontecimentos e circunstâncias afastaram-me da psiquiatria mas a medicina ficou e irá comigo para o outro lado,rs.

Diego Borges disse...

Acredito que não. Vai de cada um. Eu quando pequeno queria ser veterinário, mas depois de grande eu descobri que minha vontade não era cuidar de bicho mas protege-los de pessoas ruins assim como ajudar pessoas com problemas tambem. Certa vez fiz meu teste de aptidão e em todos a melhor profissão pra mim era psicologia, fisioterapia e serviço social. Quem sabe eu não faça o ultimo ?
Eu faço agora biologia e quero fazer informática também o que difere bem das do teste mas fazer o que é o que me satisfaz no momento por isso acho que vai de cada um .
um abração !!!!

Maria Augusta disse...

Georgia, acho difícil ter que escolher aos dezoito anos ou mesmo antes uma profissão que se vai exercer por toda a vida. Mas quando se vai viver do próprio salário como era o meu caso, se deve ser pragmático na escolha, hesitei entre engenharia e arquitetura, mas depois que entrei na Politécnica, não duvidei mais, pois era emprego certo na saida. Não me arrependi, mas mais tarde descobri novos interesses e tenho certeza que teria gostado também de ser arquiteta, historiadora ou professora de línguas. Admiro os que tem coragem de mudar de rumo e descobrir novos horizontes.
Um beijão.

Gisa disse...

Geo cheguei a conclusão nos forçam tomar decisões cedo demais. Com 17 anos ainda estamos acordando pra vida e nem todos nós estamos prontos pra decidir o futuro, aliás, praticamente impossivel não é ? sorte daqueles que já tem uma profissão no sangue e que segue sem hesitar. Enfim... sonhei em trabalhar com artes e a vida me levou pra outros caminhos. Um dia quem sabe... bjsss querida

Aninha Pontes disse...

Acho que vc está certa.
É viver um dia após o outro. Nunca paramos de aprender, de descobrir coisas novas, de nos encantarmos com coisas novas.
O importante é não acreditar, que fazer uma escolha, determina o fim das opções, ou o fim da linha.
Está lindona na foto heim?
Beijos linda.

Bia Mendonça disse...

Essa pergunta me assombra em todo canto que vou. Não adianta tentar fugir, sempre tem algo ou alguém para te mostrar que ainda está ali, mesmo quando vc fecha os olhos!

Eu não sei o que quero fazer, mas tenho algumas coisas para tentar antes de jogar a toalha.
Uma das coisas que achei bem interessante no livro (já estou nos últimos capitulos), é que até quem teve uma profissão considerada muito boa (no livro o médico, Dr. Breuer), que fez descobertas importantes e trilhou uma vida profissional de muito sucesso, em certa altura da vida se perguntou se era isso mesmo que gostaria de ter feito... se não foi "empurrado" por outros a fazer o que faz. E sofre pensando que seria feliz fazendo outra coisa, embora ele nem saiba o que, pq a vida toda foi inclinado para a medicina!

Eu realmente espero um dia encontrar algo que me faça feliz por fazer esse algo! O jeito é continuar tentando!

bjs

Rubinho Osório disse...

Farei 58 em junho - se Deus permitir - e ainda não sei o quero ser na vida! Já fui tanta coisa! Tem tanta coisa ainda que eu gostaria de ser!!!
O mais importante, acho, é ser feliz com o que faz e fazer feliz os outros com o que faz.

Dona Flor disse...

Geórgia, talvez o mais importante é saber que podemos ser o que quisermos!!
Na hora da escolha, mil dúvidas veem à nossa mente e muitas pessoas tentam dar suas opiniões, dizendo "ah, essa profissão não tem futuro", ou "essa não dá muito dinheiro", ou coisas do tipo, quando o importante mesmo é ser feliz. Eu SEMPRE soube que iria ser desenhista, mas não foi uma decisão muito apoiada na minha casa, então eu fiz um caminho do meio, estudei desenho industrial, que não era lá, nem cá (meu pai queria uma filha engenheira) e não me arrependo. Lidar com números jamais seria minha praia. =) Eu passava o tempo todo desenhando os colegas nas aulas de matemática no colégio! hahaha
Beijos.

Mylla Galvão disse...

Com certeza Gê,

Pq só agora com 10 anos de formada é q eu sei q quero fzer Psicopedagia como pós-graduação!!!
... Só depois dos 30 é q descobri q sempre amei ser professora!!!

bjão

disse...

Quando se é jovem é uma escolha bem complicada e difícil.
Eu gostaria de ter feito Engenharia Quimíca e me especializar em petróleo, acabei por me casar muito jovem, só dezoito para dezenove anos.
Mas ao longo da vida fui virando uma alto ditada e gostando de tudo um pouquinho.
Mas não me arrependo não, há tempo ainda para voltar a estudar e fazer o que gosto, principalmente agora que os filhos todos já têem seus pr´prios ninhos e eu e o maridão somos, vamos dizer jovens ainda ele com 55 e eu com 54. Dá tem po né?

Obrigada por sua visita lá em casa e por seu carinho de sempre.
Beijos!
Adoro suas postagens sempre estou a aprender contigo!

Gaspar de Jesus disse...

odos nós temos capacidades que por vezes demoramos a descobrir, casos haverá concerteza que nunca serão descobertos...
É assim a vida minha amiga.
Beijinhos
G.J.

evipensieri disse...

Oi Georgia.

Essa é uma fase tão complicada. Me lembro que fui quase que obrigada a escolher pois era o último dia de inscrição do vestibular e eu não me decidia.
Ainda hoje penso: se eu tivesse feito outra coisa ...

Bjs.
Elvira

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Georgia, vim aqui te agradecer pela delicadesa de me visar que eu era a vítima da semana. Valeu mesmo, e de quebra descobri um blog muito bacana, o teu.
bejão

Depois dos 25, mas antes do 40! disse...

Ge, eu concordo com você sobre a escolha do estudo. Eu mesma queria fazer tantas faculdades... Direito e psicologia estão na minha lista. Mas fiquei bem surpresa com sua capacidade de desenhar prédios. Que tal investir na carreira???

Beijos e estou adorando suas fotos em capas de revistas, cada dia mais linda!!!!

Beijos

Allan Robert P. J. disse...

Eu queria ser cientista, mas não sabia o que isso significava. Quando cresci, fui estudar Propaganda e Marketing. Não concluí, mas sempre trabalhei na área comercial e marketing. Depois dos 30, fui estudar Economia e gostava muito, mas um acidente de carro mudou a minha vida. Tive que voltar para SP e continuei na área comercial. Mudei quando vim para a Itália e já não me importa muito se trabalho como gerente de alguma empresa ou artesão. O que eu quero mesmo é continuar sendo curioso com este mundo, afinar a minha capacidade de observação e contemplação e ser um bom marido e bom pai. :)

Bec Flor disse...

Acho que aos 40 a gente sabe o que quer. A minha mãe diz que a vida dela começou aos 40 foi quando ela retomou os estudos e com 57 anos foi pra faculdade.Eu estou nos 27 ainda e vários "projetos" inacabados. O mais gostoso é estar sempre experimentar.É como você disse.... sempre descobrimos novas aptidoes.

super beijo
ps: Obrigada pela gentileza de sempre!

Lunna Guedes disse...

Não sei, eu levei um bom tempo para aceitar algo que vivia em minhas vilas. Hoje admiti que adoro escrever e passar horas fazendo isso é um prazer.
Mas acho que a obrigação por definição é o grande incomodo aqui, não acha?
Acho que a faculdade deveria ser um complemento ao longo dos anos e não continuidade aos estudos porque nessa idade há milhões de coisas na cabeça ao mesmo tempo em que há o senso de aventura, o desejo insano de conquistar o mundo e o desenho involuntário de pensar em algo muito distante: o futuro.
Enfim, fiz três faculdades e confesso que se fosse hoje não faria nada disso. hahahahahahaha
Outro dia mesmo comentava com o Marco das bobagens que a gente faz quando se tem dezesseis anos.
Bacio carissima

Rubinho Osório disse...

Que jogo??
Basta visitar a Bacia (http://www.baciadasalmas.com/2010/voce-acaba-de-perder-o-jogo/) pra saber...
E perder!!!

Sandra disse...

OLA MINHA LINDA E AMADA AMIGA!
HOJE CHEGOU O DIA DA LEITURA..O QUE ELEAS ESTÃO LENDO...
TE ESPERO LÁ.
UM GRANDE ABRAÇO.
SANDRA

JÁ ESTOU PREPARANDO O DA MULHERES PODEROSAS.
LOGO ENVIO.
UM GRANDE ABRAÇO FORTE PARA LHE ESQUENTAR DESSE FRIO...
SANDRA

Luma Rosa disse...

Eu nunca parei de estudar, desde quando fui alfabetizada e dentro da área em que trabalho tive que me especializar, para isto somo 3 diplomas mais o que vem agregado. Não vou parar, não só pelo trabalho, mas é o que me satisfaz, estar sempre motivada a acordar no próximo dia e acrescentar algo para mim em meu crescimento interior.
Geórgia, as pessoas confundem talento e vocação, duas coisas bastante distintas. O talento você lapida e a vocação, você pode ter por várias coisas. A cabeça do ser humano é capaz de transformar pedra em talismã e o dom, conquistamos, bastando direcionar nosso interesse para determinado assunto. Todos nós somos dotados de várias qualidades que não desenvolvemos e muitas vezes somente por preguiça. Beijus,

Cíntia Mara disse...

Eu não passei pela indecisão que a maioria dos jovens passam quando vão prestar vestibular. Já fazia curso técnico em informática e a opção lógica seria prestar pra ciência da computação. Passei, me formei, trabalho e amo o que eu faço. Mas apesar da realização - pessoal e financeira - com a profissão, às vezes penso se não poderia ser feliz fazendo outra coisa. Acho que me daria bem como jornalista, já que gosto de escrever. Ou como engenheira mecânica, já que eu sempre adorei essa parte da física que a maioria odeia. Sem contar que eu adoro música.




Nunca é tarde pra entrar numa faculdade ou mudar de profissão, se isso fizer com que você se sinta mais feliz.

Bjs

Renata disse...

Eh isso mesmo...
A gente pode achar que quer uma coisa, mas quando vemos, lah na frente, depois anos passados, eh que queriamos estar fazendo outras coisas com nossas vidas...
Comigo aconteceu isso mesmo! Agora, com 31 anos, e mais de uma decada de experiencia na area de financas, resolvi deixar tudo de lado e voltar pra faculdade... Estou estudando Biotechnology! E estou amando!! Na minha epoca, eu nem pensava que isso existia!! Ia perguntar se era de comer!! HAHAHAHA Mas comecei a conhecer do assunto assistindo CSI... Nao quero ir pro lado de Forensics... Mas estou apaixonada por genetica! Ainda estou no meio do curso, mas sei que fiz a escolha certa!!
beijos!

Ann disse...

Oi Georgia,
Otimo topico! Eu tambem faco parte da turma que escolheu cedo demais algo que nao era para si.
Fiz Engenharia e na metade larguei porque vi que nao era poderia competir com meus colegas no desenho. Desde sempre trabalhei com Marketing ou com idiomas e sao as areas que realmente me encantam, alem da sociologia que adoraria estudar!
Bjs

Dalva disse...

Oi, Georgia!

Hoje em dia é muito comum ver-se pessoas iniciarem um curso de faculdade após os 40 anos. Corre até um ditadozinho assim: "universidade não tem idade". E a Universidade para a terceira idade é um sucesso! Se você já tem um curso, é sempre bom se aprimorar, se atualizar. E se nunca fez, por que não começar? Afinal, se estamos mais maduros, certamente escolheremos um curso mais de acordo com nossas aptidões...
Excelente post, parabéns! E os comentários também estão enriquecedores!

Bjs.